vamos brincar às guerrinhas? anda lá, eu já construí o meu castelinho, mesmo sem a bênção do padre

«- Ora – gritou o ferreiro (…) Porquê S. Gens? Quem é que quer S. Gens para o que seja? Vão ver, passam de largo e não nos tocam…

– Não foi em vão que o nosso comandante andou a petrechar a praça… – arriscou o padre, deliciado secretamente com o ponto de vista do mestre ferreiro.

– Quer Vossa Reverência saber? Um piolho é sempre um piolho. Pode-se pintar de amarelo, pode-se empavesar com fitas, pode-se calçá-lo de botinhas de lã… Quem é que quer um piolho, para que serve?»

Mário de Carvalho

A paixão do Conde de Fróis

Anúncios

Sobre paulommorais

Escrevo romances, textos, fragmentos. Antes e depois da escrita, leio. Gasto muitas noites com filmes. Nos entretanto, divago sobre novas personagens com histórias por contar.
Esta entrada foi publicada em literatura-citada com as etiquetas , . ligação permanente.

comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s