Alberto Moravia em «o desprezo»

alberto-moravia1«Até então amara Emília naturalmente, sem consciência e o meu amor manifestara-se sempre, como, por encanto, num impulso irreflectido, impetuoso, inspirado, que até àquela altura me parecera brotar de mim e só de mim. Agora, pela primeira vez, eu compreendi que este impulso dependia e se alimentava do impulso semelhante de Emília, e receava, vendo-a assim mudada, não ser mais capaz de a amar com a antiga facilidade, espontaneidade, naturalidade.»

Anúncios

Sobre paulommorais

Escrevo romances, textos, fragmentos. Antes e depois da escrita, leio. Gasto muitas noites com filmes. Nos entretanto, divago sobre novas personagens com histórias por contar.
Esta entrada foi publicada em literatura-citada com as etiquetas , . ligação permanente.

comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s