Gunter Grass em «O tambor de lata»

gunter-grass2“(…) porque não quer dizer, só por o coração estar cheio, que os olhos têm de transbordar, algumas pessoas nunca são capazes disso, especialmente durante as últimas décadas, ou em décadas passadas. Por isso é que o nosso século há-de um dia ser conhecido pelo século sem lágrimas, apesar do grande sofrimento em todo o lado – e era por aquele motivo, a falta de lágrimas, que as pessoas iam à Adega das Cebolas de Schmuh, aquelas que tinham dinheiro para isso, para que o taberneiro servisse uma tabuinha de cortar – porco ou peixe -, uma faca de cozinha por oitenta pfennige e uma cebola vulgar, de campo ou jardim, por doze marcos, cortavam-na em pedaços cada vez mais pequenos, até que o sumo conseguisse, mas conseguisse o quê? Até que conseguisse aquilo que o mundo e o sofrimento deste mundo não conseguiam: a redonda lágrima humana. E então chorava-se. Finalmente, chorava-se de novo. Chorava-se decentemente, chorava-se desenfreadamente, chorava-se abertamente. As lágrimas corriam e arrastavam tudo.”

Anúncios

Sobre paulommorais

Escrevo romances, textos, fragmentos. Antes e depois da escrita, leio. Gasto muitas noites com filmes. Nos entretanto, divago sobre novas personagens com histórias por contar.
Esta entrada foi publicada em literatura-citada com as etiquetas , . ligação permanente.

comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s