Michel Houellebecq em «O mapa e o território»

michel-houellebecq1“Houellebecq, ao evocar a sua carreira romanesca, dissera-lhe que podemos sempre tomar notas, tentar alinhar frases; mas que para nos lançarmos na escrita de um romance é preciso esperar que tudo isso se torne compacto, irrefutável, é preciso esperar que apareça um autêntico núcleo de necessidade. Nunca somos nós a decidir a escrita de um livro, acrescentara ele; um livro, na sua opinião, era como um bloco de betão que se decide solidificar, e as possibilidades de acção do autor limitam-se ao facto de estar ali e de aguardar, numa inacção angustiante, que o processo arranque por si mesmo.”

Anúncios

Sobre paulommorais

Escrevo romances, textos, fragmentos. Antes e depois da escrita, leio. Gasto muitas noites com filmes. Nos entretanto, divago sobre novas personagens com histórias por contar.
Esta entrada foi publicada em literatura-citada com as etiquetas , , . ligação permanente.

comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s