Arquivo da Categoria: literatura-citada

livros com excertos memoráveis

Cormac McCarthy em «A estrada»

«Quando finalmente tivermos morrido todos, então não restará ninguém aqui na terra a não ser a morte, e também ela terá os dias contados. Andará a calcorrear a estrada de um lado para o outro, sem nada para fazer e … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário

Cristina Drios em «Os olhos de Tirésias»

«Cumprimentámo-nos, passando a ser dois a tentar, numa cumplicidade instantânea, abrir o chapéu. Perguntar-me-ão, porquê contar isto, este pequeno episódio sem importância, duas pessoas acabam de se conhecer e imediatamente se dedicam a um objectivo comum, o de abrir um … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas | Publicar um comentário

Chimamanda Ngozi Adichie em «Meio sol amarelo»

«Agora, porém, sentia-se abandonado. A sua admiração assentara no facto de ela ser inatingível, era uma adoração à distância, mas agora que provara o sabor a vinho na língua dela, que a abraçara com tanta força que também ele ficara … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário

Bret Easton Ellis em «Lunar park»

«Jayne estava magra e não me dirigiu a palavra, o que fez recordar os tempos em que éramos tão chegados que conseguíamos completar as frases um do outro. Quis dizer-lhe que ainda a amava, mas não era isso que ela … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário

Alexandre Pinheiro Torres em «Espingardas e música clássica»

«Vossemecê sabe muito de Camilo.» «Minha senhora, todos nós, os de poucas letras, só lemos até hoje o catecismo e o Amor de Perdição.» «E vossemecê gosta do livro?» «Só leio quando preciso de chorar.» [O livro que encontrei na … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Adolfo Bioy Casares em «A invenção de Morel»

«Talvez toda a minha higiene de nada esperar seja um pouco ridícula. Nada esperar da vida, para nada arriscar; dar-me por morto para não morrer. De súbito tudo isso me pareceu uma letargia imensa, inquietíssima; quero pôr-lhe fim.»

Publicado em literatura-citada | Etiquetas | Publicar um comentário

Witold Gombrowicz em «A pornografia»

“O candeeiro. O jantar interminável. A sonolência. A imensidão do Hipólito lambuzado com o grosso molho do sono, a sua mulher a desvanecer-se ao longe, o Frederico. Borboletas a baterem de encontro ao candeeiro, a escada estreita e muito íngreme, … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas | Publicar um comentário