Arquivo de etiquetas: escrita

Mário Cláudio em «Boa noite, senhor Soares»

“O Alfama sabia muita coisa que nós ignorávamos, e era a alma do Clube Lusitano, a organizar rifas, a ensaiar espectáculos, ou a montar a instalação eléctrica no salão de baile. Numa ocasião, encontrando-se ele a preparar uma revista, de … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário

Michel Houellebecq em «O mapa e o território»

“Houellebecq, ao evocar a sua carreira romanesca, dissera-lhe que podemos sempre tomar notas, tentar alinhar frases; mas que para nos lançarmos na escrita de um romance é preciso esperar que tudo isso se torne compacto, irrefutável, é preciso esperar que … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , , | Publicar um comentário

20.000 Days on Earth (filme)

«Todos os nossos dias estão contados. Não nos podemos dar ao luxo de sermos ociosos. Agir sobre uma ideia má, é melhor do que não fazer nada. Até porque o valor de uma ideia só se torna visível no momento … Continuar a ler

Publicado em cinema-falado | Etiquetas , , , , | 1 Comentário

o túnel do passado

(…) porque eram precisamente esses sentimentos que eu pretendia enterrar que me empurravam para um pequeno cinema de bairro, porque então eu ainda não sabia que apesar de se crescer e por mais que se olhe para o futuro, uma … Continuar a ler

Publicado em oráculo-morais | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário

remédio envenenado

Quando julgamos ter finalmente entendido o que somos e o que queremos ser, aparecem obstáculos que nos testam a vontade. Nos testam a força e resiliência. Nos testam a loucura de continuar a caminhar em frente, porque em frente já … Continuar a ler

Publicado em oráculo-morais | Etiquetas , , | 6 Comentários

votar!

O episódio que eu escrevi em dia de eleições passou a belíssima voz e entoação radiofónica pela Margarida Fonseca Santos.

Publicado em oráculo-morais | Etiquetas , , , | 1 Comentário

memória cega

Tudo era velho na enorme casa daquela avó à beira do celebrar um século de vida. A proprietária cegara há vários anos; movimentava-se às apalpadelas às paredes, requisitando à memória as esquinas dos corredores e as ombreiras das portas. Caminhava … Continuar a ler

Publicado em oráculo-morais | Etiquetas , | Publicar um comentário