Arquivo de etiquetas: literatura

Filomena Marona Beja em «Betânia»

Acendeu o primeiro cigarro do dia, saboreou-o. Todas as manhãs, reprimia a vontade de fumar e isso custava-lhe cada vez mais. Ficava num estado em que lhe parecia nada valer a pena, nem desenhar. Não aguentava, fumava pela única razão … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Rosa Montero em «A louca da casa»

“A poesia aspira à perfeição; o ensaio, à exactidão; o drama, à ordem estrutural. O romance é o único território literário onde reina a mesma imprecisão e desmesura que na existência humana. É um género sujo, híbrido, alvoroçado. Escrever romances … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , , | 2 Comentários

Olga Gonçalves em «Mandei-lhe uma boca»

“Por que é que haviam de fazer esta revolução? Acha que ainda vai durar muito tempo? Tem, tem estado tudo parado nos liceus. Por mim, estou fula. A princípio soube bem, mas o que é de mais já enjoa. Estamos … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Gunter Grass em «O tambor de lata»

“(…) porque não quer dizer, só por o coração estar cheio, que os olhos têm de transbordar, algumas pessoas nunca são capazes disso, especialmente durante as últimas décadas, ou em décadas passadas. Por isso é que o nosso século há-de … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário

Emily Brontë em «O monte dos vendavais»

“- Abandonou-os porque estava iludida – respondeu Heathcliff. – Imaginou-me um herói de romance e esperava ilimitada condescendência da minha dedicação e cavalheirismo. Mal posso concebê-la como criatura assisada, tão teimosamente persistiu em formar uma ideia fabulosa do meu carácter, … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário

Patrícia Reis em «Morder-te o coração»

“Tudo o que passámos, naqueles dias, não era definitivo, não tinha coordenadas futuras, seria, por fim, o crescendo que iria morrer de repente. Olhava-te no sono e pensava que sabia exactamente a data em que o amor se iria desfazer. A ilha estava … Continuar a ler

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário

Marguerite Duras em «vida tranquila»

Algumas vezes, perto do meio da tarde, levanta-se o vento. O mar torna-se mais branco. Acontece que o Sol se tolda. De repente não há já sombras. E tudo empalidece como tocado de terror.

Publicado em literatura-citada | Etiquetas , | Publicar um comentário